sábado, abril 27, 2013

10 Rituais mágicos que foram usados para tentar vencer guerras


Se você pensa que, depois do Iluminismo, a ideia de recorrer a magia em conflitos ficou restrita a algumas seitas e a livros como Harry Potter, engana-se: líderes nazistas, a CIA (serviço de inteligência americano) e o M15 (serviço de inteligência britânico) já tentaram buscar ajuda no “sobrenatural” em suas guerras, como você lerá a seguir.


10. O (Soldado) Ilusionista

Na época da Guerra Fria, a CIA contratou o ilusionista John Mulholland para escrever um manual que seria usado para ensinar a soldados truques de prestidigitação (um conjunto de técnicas que faz uso de movimentos rápidos e precisos das mãos) que ele usava em suas apresentações.

O “The Official CIA Manual of Trickery and Deception,” (algo como “Manual Oficial de Truques e Indução a Enganos”) também ensinava a usar compartimentos secretos para proteger documentos importantes e sinais discretos (como uma maneira específica de amarrar os sapatos) para se comunicar com outros agentes durante missões em campo. É o tipo de coisa que o Agente 86 faria se fosse menos desastrado.


9. Magia Policial

Em sua luta contra o tráfico de drogas na fronteira entre México e Estados Unidos, policiais de Tijuana (México) usaram em 2010 rituais “mágicos” para ter alguma vantagem no conflito com traficantes – em um dos rituais, sacerdotes matavam galinhas durante um período de lua cheia e jogavam sangue sobre os policiais, como forma de “proteção”.


8. Houdini, o Espião

Embora não haja registros oficiais, acredita-se que o mágico Harry Houdini tenha trabalhado como espião para a Scotland Yard (quartel general da Polícia Metropolitana de Londres) e para o governo dos Estados Unidos. Em 2006, foi lançada a biografia “The Secret Life of Houdini” (“A Vida Secreta de Houdini”, sem edição no Brasil), em que o autor sustenta a ideia, alegando ter usado mais de 700 mil páginas de documentos coletadas ao longo de anos para chegar a essa conclusão.


7. Os falsos horóscopos britânicos

Aproveitando o fato de que Adolf Hitler e muitos de seus subordinados tinham uma certa obsessão pelo “sobrenatural”, o governo britânico contratou o astrólogo Louis de Wohl para criar previsões de horóscopo falsas (“todo horóscopo é falso”, pensou algum leitor – mas não entraremos nesse mérito) e prejudicar o desempenho nazista na guerra. 

No fim das contas, outras ações garantiram a vitória dos Aliados, e o M15 se arrependeu de ter se envolvido com de Wohl, aparentemente por perceber que ele era um charlatão – algo curioso, já que esse teria sido um dos motivos para pedir sua ajuda, para começo de conversa.


6. Defesa Paranormal

Em 2002, o Ministério da Defesa Britânico conduziu um estudo para avaliar se soldados poderiam ser treinados para se tornar paranormais, o que seria um “trunfo sobrenatural” na luta contra o terrorismo. 

Como parte desse esforço, o governo britânico convidou pessoas que se diziam “paranormais” para participar de testes, mas elas recusaram – e, em seu lugar, apareceram candidatos que não eram “do ramo”, mas que viram uma oportunidade de ganhar dinheiro fácil.


5. O Mago de Napoleão III

Em 1856, Napoleão III (sobrinho de Napoleão Bonaparte) chamou Jean Eugene Robert-Houdin (cujo nome serviu de inspiração para o nome artístico de Harry Houdini) para combater “magos” muçulmanos na Argélia (então dominada pela França). 

Eles usavam truques de ilusionismo para entreter a população e ganhar sua confiança, o que, para Napoleão III, podia acabar incentivando uma união de forças contra o domínio francês. Robert-Houdin, mais habilidoso, teria tirado a audiência de seus “concorrentes”.


4. Em Busca do Cálice Sagrado (na vida real)

Parece exagero, algo que veríamos apenas em filmes como os de Indiana Jones, mas é fato: nazistas buscaram o Cálice Sagrado (supostamente usado por Jesus Cristo na Última Ceia) e outros artefatos religiosos. Parte das buscas foi liderada por Heinrich Himmler, um dos mais poderosos comandantes do exército nazista.


3. Psicocinese à Moda Russa

Na década de 1920, o governo soviético começou a se interessar por telepatia e psicocinese (capacidade de mover objetos com a mente), que seriam mais baratos do que aparelhos de comunicação e de defesa (imagine como seria “prático” e “econômico” desviar um míssil apenas com a força do pensamento). A psicocinese, inclusive, foi estudada no Institute for Brain Research at Leningrad State University (Instituto para Pesquisa Neurológica da Universidade Estadual de Leningrado).


2. Como esconder um canal

O mágico Jasper Maskelyne foi chamado pelos Aliados durante a guerra para uma iniciativa curiosa: o Projeto Camuflagem, que tinha como objetivo esconder (!) o Canal de Suez e, com isso, dificultar ataques das tropas nazistas. 

Como não poderia estender uma gigantesca capa de invisibilidade sobre o canal, Maskelyne desenvolveu holofotes giratórios que poderiam “cegar” temporariamente pilotos de caça que sobrevoassem o local.


1. O Projeto Stargate

Durante a Guerra Fria, o Pentágono investiu mais de 20 milhões de dólares (um valor especialmente alto para a época) no chamado Projeto Stargate, em que seria investigada a possibilidade de desenvolver algo conhecido como “visão remota” (a capacidade de enxergar a longas distâncias com a mente, sem uso de equipamentos). No fim das contas, decidiram que era melhor focar em radares e satélites mesmo.

0 comentários :

Blogger Template by Clairvo