sábado, junho 08, 2013

O soldado do futuro


As guerras sempre foram potentes motores de desenvolvimento de tecnologias — e não estamos falando apenas na vertente bélica, com a produção de armas cada vez mais precisas e potentes. Áreas como a comunicação, a geolocalização e a de monitoramento tiveram grandes avanços graças a conflitos históricos.
Você pode não saber, mas muitos dos aparelhos eletrônicos, utensílios de cozinha e até tipos de alimentos que fazem parte do nosso dia a dia, como forno micro-ondas, aparelho GPS, computador, panela de teflon, margarina e leite condensado, são legados de pesquisas militares.

E como você deve imaginar, os centros de desenvolvimento dos exércitos de todo o mundo não param de pensar em formas de aprimorar o desempenho e a proteção de seus soldados. Nós fomos atrás do que está sendo criado para ser incorporado à rotina dos combatentes e elaboramos este infográfico. Agora você confere mais detalhes de cada uma dessas tecnologias.

Capacetes tecnológicos

Armadura facial

Atualmente, o rosto dos soldados é uma região que fica muito exposta. Para tentar corrigir isso, o exército dos EUA desenvolveu uma espécie de armadura facial chamada Predator Facial Armor. O dispositivo consiste em um capacete de alta resistência com proteções especiais para a mandíbula, olhos, nariz e boca.

(Fonte da imagem: Reprodução/Blanddesign)

Mais do que apenas proteger o rosto dos militares e amenizar impactos, esse equipamento possui recursos tecnológicos para informá-los durante as missões, incluindo um radar de 360 graus capaz de indicar alvos móveis e uma tela para exibir informações úteis, como mapas, posicionamento de companheiros e possíveis integrações computadorizadas com armas.

Subconsciente em forma de alerta

A DARPA, famosa agência do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criou um capacete dotado de sensores que medem a atividade das ondas P-300 do cérebro, as quais são uma forma de resposta do nosso organismo para estímulos muito sensíveis e inconscientes. O sistema ainda conta com uma câmera externa e móvel de 120 megapixels que envia 10 imagens por segundo para a pessoa que está usando o capacete, permitindo o monitoramento de outros locais.

Mesmo que o soldado não perceba uma ameaça imediatamente, o seu cérebro aumenta a frequência das ondas P-300, que são detectadas pelo capacete, e o militar é avisado para prestar maior atenção em determinado ponto da transmissão de vídeo.

(Fonte da imagem: Reprodução/DARPA)
Esse sistema reduziu os alertas conhecidos como falsos-positivos (mesmo conceito do que conhecemos nos antivírus) no período de uma hora de 810, quando operado apenas pelo computador, para apenas cinco com a ajuda do capacete e de um combatente.

O pentágono também possui um projeto para um capacete que permite a visão de 360 graus.

Proteção para os olhos

Óculos para uso militar

A mesma DARPA que citamos acima, em pareceria com uma empresa chamada Vuzix, é responsável pelo desenvolvimento da nova geração de óculos para uso militar. Embora a aparência desses acessórios seja bem parecida com a dos modelos que encontramos nas lojas convencionais, a tecnologia incorporada neles é bem superior.

Os óculos contam com um sistema holográficos que permite sobrepor imagens à lente, criando uma sensação de realidade aumentada. Por meio desse recurso, o sistema possibilitaria a análise de ambientes em tempo real. As lentes desse aparato devem ter menos de 3 milímetros de espessura e, quando o sistema estiver desligado, ser completamente transparentes.


Lentes de contato exclusivas

Ainda no tocante aos olhos, os departamentos de defesa dos EUA tem planos de produzir lentes de contato para aperfeiçoar a visão dos soldados. Essas lentes teriam uma camada finíssima que serviria como tela, mostrando informações do campo de batalha, por exemplo.

Além disso, elas teriam funções de visão noturna e de ampliação do alcance de visão dos combatentes. Com isso, os militares seriam poupados de carregar diversos equipamentos, como binóculos, óculos de visão noturna, entre outros. Inclusive, há indícios de que esse tipo de tecnologia já esteja sendo usada. Soldados que mataram o terrorista Osama bin Laden teriam usado lentes de contato que os permitiam enxergar no escuro

Uniformes 

Tecidos para todos os gostos

Diferente de tempos antigos, quando os soldados carregavam apenas seus fuzis e cantis, hoje os militares precisam levar consigo uma infinidade de aparelhos eletrônicos — o que os força a transportar também pesadas baterias.

Pensando em solucionar esse inconveniente, pesquisadores da Universidade de Glasgow desenvolveram uma roupa especial fabricada com tecido fotoelétrico, ou fotovoltaico, que absorve as radiações solares e as transforma em fonte de energia. Quando utilizado durante a noite, o Solar Soldier, como foi batizado o projeto, substitui os raios do sol pelo calor do corpo para absorver energia.


Modelo de roupa com suporte para carga de energia do exército britânico. (Fonte da imagem:Reprodução/The Verge)
O exército britânico possui um sistema com o mesmo objetivo, com a diferença de que o uniforme possui uma espécie de bateria incorporada, que armazena a energia elétrica e a transmite para todos os equipamentos em uso.

As vestimentas dos soldados também podem servir para ampliar o sinal de transmissão dos aparelhos de comunicação. Cientistas da Universidade de Ohio estão trabalhando em um novo design de antenas que iriam dentro das roupas dos militares. O protótipo da tecnologia usa uma capa plástica e fios metálicos para se fixar no interior do uniforme, é capaz de enviar e receber sinais de forma multidirecional e apresenta um alcance quatro vezes maior do que as antenas adotadas atualmente pelas forças armadas.

Um tecido mais resistente usado na confecção das vestimentas militares poderia salvar vidas — essa é a aposta da empresa Neptunic Technologies. Na verdade, a invenção dessa fabricante, umtecido baseado em ligas metálicas, foi pensada para proteger surfistas e mergulhadores do ataque de tubarões. Contudo, a malha se mostrou tão eficiente que já está sendo negociada para ser empregada nos uniformes militares.

Cinto de direção

No calor e na adrenalina de um tiroteio, não é difícil se sentir perturbado e perder o senso de direção. O exército dos EUA tem desenvolvido um dispositivo que permitirá aos seus recrutas orientar-se com mais facilidade, sem a necessidade de ficar olhando para o aparelho de GPS a todo instante.

A tecnologia é baseada em um cinto ligado a um sistema de geolocalização, um acelerômetro e uma bússola digital. Esses equipamentos rastreiam e fornecem as informações de localização do soldado. Para transmitir isso de maneira objetiva ao combatente, os pesquisadores implementaram sensores vibratórios em pontos que representam os pontos cardeais e colaterais.

(Fonte da imagem: Reprodução/NewScientist)

Dessa forma, os militares são guiados a partir das vibrações emitidas pelo aparato em suas cinturas. Os sinais podem ser emitidos em intervalos diferentes com o intuito de fornecer avisos mais específicos, como a proximidade do alvo.

Cueca inteligente

O último acessório relacionado com a vestimenta que você não poderia deixar de conhecer é uma cueca “inteligente”. A peça de roupa íntima dos combatentes também poderá servir para monitorar alguns de seus sinais vitais, como frequência cardíaca, temperatura da pele e condições respiratórias.

A tecnologia, criada pelo U.S. Army Medical Research Material Command and Telemedicine, em parceria com o Advanced Technology Research Center, consiste em um termostato e sensores com gel capazes de manter o monitoramento ininterruptamente. A cueca inteligente deve ajudar os militares a identificar as situações de estresse enfrentadas pelos soldados durante os treinamentos.


Coletes à prova de balas

Outro aparato essencial para um soldado é o colete à prova de balas. Nesse aspecto, as pesquisas militares também devem trazer novidades em breve. Uma das alternativas está sendo desenvolvida pela Universidade da Califórnia: uma material que pode ser usado nos equipamentos de proteção com base na estrutura da escama do peixe amazônico arapaima, o qual é mais conhecido como Pirarucu.

A couraça dessa espécie possui fibras organizadas em direções alternadas, como pisos de tacos de madeira, sobre uma camada de colágeno. Essa composição permite que a sua estrutura seja rígida e flexível ao mesmo tempo.

(Fonte da imagem: Reprodução/UC San Diego)

O outro projeto que poderá ser empregado nos coletes dos soldados está também está sendo elaborado por cientistas da Universidade da Califórnia, mas nessa pesquisa a inspiração do material resistente veio de um crustáceo chamado tamarutaca. A ideia aqui é estudar a a composição de suas patas, formadas por microestruturas que se unem em uma carapaça especial.

Camuflagem

Soldados "invisíveis"

Quem já teve a oportunidade de jogar a franquia Metal Gear Solid ou Crysis conhece a grande vantagem oferecida por uma camuflagem que torna o soldado invisível. Obviamente, esse tipo de recurso também é um sonho de consumo para qualquer exército do mundo real. Se depender da empresa Special Operations Apps, esse tipo de aperfeiçoamento não deve demorar para se tornar comum nos campos de batalha.

A tecnologia desenvolvida por ela é um software que utiliza fotografias do local em que o confronto será realizado para criar padrões próprios para esses terrenos específicos. Após a definição desses parâmetros, esses padrões podem ser aplicados em diferentes tipos de tecido. Ainda estamos longe das roupas nanotecnológicas dos games, mas com certeza uma farda feita para um determinado ambiente promove uma bela vantagem.

Tinta que repele calor

Além de funcionar como camuflagem, aquelas tintas que os soldados passam no rosto também poderão servir para evitar que eles sejam queimados. Químicos e engenheiros da Universidade do Sul do Mississipi criaram um composto à prova d’água, de fácil remoção e que não irrita olhos, boca ou nariz. Mas o grande destaque dessa tinta é que ela pode refletir ondas de calor, mantendo a pele do combatente a salvo por até 60 segundos em caso de explosão.

Acessórios

Telas flexíveis de pulso

O exército norte-americano, em parceria com a Universal Display Corporation, exibiu há algum tempo uma tela OLED flexível de 4,3 polegadas e resolução de 320x420 pixels que deverá ser acoplada ao pulso dos militares, podendo exibir uma enorme variedade de informações — funcionando de maneira muito similar a um smartphone.



Rastreando batimentos cardíacos

Um sensor desenvolvido pela DARPA permitirá que os batimentos cardíacos de até uma dezena de pessoas em um raio de 10 metros sejam rastreados. Assim, o dispositivo permitirá que os soldados possam ouvir, literalmente, através de paredes, muros, pisos e portas

Nanochip na cabeça

Essa mesma agência de pesquisa do Departamento de Defesa dos Estados Unidos pensa em implantar nanochips na cabeça de suas tropas para monitorar a saúde dos militares — principalmente as doenças adquiridas ou oriundas dos campos de batalha. Há quem diga que o projeto nada mais é que uma tentativa de iniciar a implantação de chips em todos nós.

Aparelho que localiza sons de tiros

As Forças Armadas dos EUA também estão projetando um equipamento que visa detectar a direção de origem de tiros. Esse dispositivo possibilita que os combatentes deem uma resposta rápida em caso de emboscadas, por exemplo. O mecanismo já foi usado por soldados que atuavam no Afeganistão.





Extras

Como você deve imaginar, o desenvolvimento de tecnologias no âmbito militar não fica apenas em acessórios e utilidades para os uniformes dos soldados. Abaixo, você confere uma lista de aparelhos e máquinas que podem fazer a diferença durante uma guerra.


Uma máquina que produz glóbulos vermelhos, os quais são responsáveis por transportar oxigênio aos tecidos orgânicos. Com isso, os combatentes podem prolongar suas vidas por algum tempo em caso de ferimentos graves;

Exoesqueletos devem ser estruturas amplamente usadas para potencializar a força e a resistência dos soldados;


Miniveículo aéreo controlado remotamente possui mecanismos para checar radiação e verificar se a passagem dos militares é segura.

Fonte: TecMundo

0 comentários :

Blogger Template by Clairvo